quarta-feira, 4 de abril de 2018

Cadê o banheiro das estações?


Ser usuária do Metrô Recife sempre rende histórias. Algumas são até ternas, a maioria é aflitiva. Como sou do tipo que conversa com as pessoas, meus encontros tendem a serem temperados por confissões inusitadas, questionamentos e situação meio esquisitas.

Hoje, o relógio não batia nem 6:10 e eu me peguei sendo abordada por uma senhora que vinha de bem longe rumo a Cavaleiro suando frio em busca de um banheiro. Procurei alguém da equipe de limpeza para pedir informações. Encontramos a informação, nos despedimos, corri para pegar o Metrô para Jaboatão, a pergunta ficou: "Cadê o banheiro das estações?".

Uma pessoa humorada talvez ache até graça da situação, eu não tenho humor para isso não. Só penso que se fosse eu pedindo ajuda a uma desconhecida, suando frio e quase pedindo desculpas por ser humana, ia me sentir muito humilhada. Pensando bem, por tabela, já me sinto.

Em tempo: "Um metro de metrô", conforme a sinopse, é o primeiro livro da coleção "Fragmentos de mim", baseada em experiências vividas por Clivson David em mais ou menos 1 metro de metrô. Situações que sempre lhe causam desconforto e reflexão. Escrevi sobre ele AQUI.


"Paráfrase Urbana", o livro de fotografias dos qual tirei a foto que ilustra e instigou o post também de autoria do Clivson David, é um catálogo de fotografias urbanas no qual se procura da visibilidade aos gritos urbanos espalhados pela cidade em graffite, stencil, pico, lambe-lambe. Gritos que denunciam problemas sociais, pedem justiça e apontam soluções para problemas. O ponto forte do livro é que impressas em papel vegetal que leva as fotos a se sobreporem uma interferindo na outra em um dialogo com a forma com a qual a arte urbana se apresenta na cidade no meio da interferência dos sons, da pressa, da pressão, dos carros, de tudo.


Para mais informações sobre o autor clique: @clivson

6 comentários:

  1. Oi Jaci, que interessante! Adorei o estilo das ilustrações! Infelizmente muitos só compreendem, na verdade só enxergam esses gritos como vandalismo, falta de educação...A gente tá cansado de canetada em nossa pele, como não gritar?
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. não sei se é obrigatório, mas aqui em são paulo tem em todas as estações e são grandes. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  3. Oi Pandora! Eu nunca usei banheiro em estações de metrô, mas acho que deveria ser melhor sinalizado para ajudar os usuários em casos de emergência. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  4. Olá, Pandora.
    Lembro da postagem onde mostrou o livro do metrô. Eu só andei de metrô uma vez na vida quando fui para São Paulo, mas ando o tempo todo de ônibus. E acho que as situações são parecidas. Poderiam ser cômicas se não fossem constrangedoras. Esse livro de fotografias deve ser muito interessante, vou repassar a dica para um amigo que ama o estilo.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi Pandora!
    Na minha cidade não tem metrô, mas nos terminais de ônibus não tem banheiro... Dependendo do tamanho da viagem a gente passa por aperto, tem que ir atrás de um restaurante amigável para usar o banheiro...
    Muito interessante esse livro, ainda não conhecia.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  6. Oie, tudo bem?
    Acho que esse tipo de problema não é exclusivo das estações de metrô. Nos terminais de ônibus em Campinas, também é bem difícil encontrar informações.

    Achei bem legal o livro com as fotografias. Vou procurar mais sobre ele.

    Beijos
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir