terça-feira, 13 de março de 2018

Fugitiva de Alice Munro


Estou lendo "Fugitiva" da Alice Munro, é um livro de contos no qual o protagonismo pertence a mulheres nos diversos estados da vida de um mulher. Tenho visto e vivido, através dos olhos da Alice mulheres vivendo a experiência de ser filha, esposa, mãe, viúva, profissional, estudante, solitária, companheira, amiga de alguém.

Acabei de ler a série de três contos sobre Juliet nos quais são narradas três fazes da vida dela. Em "Ocasião" somos apresentados a uma estudante de grego e latim, indo em busca de seu primeira emprego como professora, enfrentando o mundo; em "Daqui a pouco"a uma mãe de uma menina e volta a casa dos pais pois a saúde de sua mãe está fragilizada como a chama de uma vela cuja cera derreteu completamente; e por fim em "Silêncio" sentimos com a ela a dor de ver sua filha unica sumir completamente da vida dela.

A brilhante estudante de Línguas Clássicas me lembrou Hecate representada com três faces, como a Lua, no ciclo de uma vida, foi varias sendo uma. Hoje, muitas vezes, me peguei pensando: eu sou Juliet.
"Na cidade onde ela cresceu, seu tipo de inteligencia era muitas vezes colocado na mesma categoria de uma perna manca ou um polegar a mais, e as pessoas logo apontavam as desvantagens que se poderia esperar - a incapacidade dela de operar uma maquina de costura ou de fazer um embrulho bonito, ou de reparar que sua combinação estava aparecendo. O que seria dela, eis a questão." (pg. 58)
"Juliet sabia que, para muita gente, ela talvez parecesse esquisita e solitária - e ela era assim, de certo modo. Mas ela também tinha tido a experiência, durante boa parte da vida, de sentir-se cercada de pessoas que queriam sugar sua atenção, seu tempo e sua alma. E, normalmente, ela deixava.
Seja disponível, seja afável (ainda mais se você não for popular)... Acomode qualquer pessoa que queira sugar você inteira, mesmo que ela não tenha a menor ideia de quem você é. (pg. 61)
Ler Fugitiva é uma experiencia de introspecção e reflexão e tem sido impossível não lembrar de outros livros capazes de proporcionar a mesma experiencia. Como não pensar nos ensaios da Herta Müller em "O Rei se Inclina e Mata", dos contos curtos da Natália Ginzburg em "As pequenas virtudes" ou das cartas de Sofia e Mariana no inesquecível "Nebulosidade Variável" da Carmen Martin Gaite.

Encontrar nos livros a beleza e a dor de nossas vidas. Os desafios, dilemas, experiências e aventuras  de ser mulher nesse mundo que nos diminui, sabota e tenta nos submeter é sempre uma experiência encantadora e fortalecedora. Alice Munro entra para a minha galeria interna de grandes autoras, suas personagens começam a compor a monja paisagem interior.

7 comentários:

  1. Não a conhecia e livros que falam sobre mulheres nos falam sempre muito! beijos, chica, tudo de bom!

    ResponderExcluir
  2. Parece ser bem interessante!

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. só da carmem não li nada. das outras autoras, outras obras. essa série que a folha lançou foi incrível. tb acabei de falar de um livro de uma escritora. igualmente contundente. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  4. Oi, Pandora!

    Esse livro parece ser muito interessante, eu gosto de livros com esse tipo de temática.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  5. Olá, Pandora.
    Que bom que está gostando tanto da autora. Eu particularmente não sou muito de ler livros nesse estilo. Prefiro outros gêneros. Mas vou repassar a dica porque tenho uma amiga que ama livros assim reflexivos.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Oi Pandora! Eu nunca li nada da autora e fico feliz em saber que sua obra é tão rica, me animou para conferir assim que puder. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  7. Recentemente tive a oportunidade de ler um livro desta autora ("Demasiada Felicidade), também de contos, não era só sobre mulheres, alguns contos eram protagonizados por homens, mas pela tua resenha posso dizer que o esquema do livro é o mesmo. Abordar um período da vida dos protagonistas que os marcou profundamente e que de algum modo os moldou. Outro ponto que a Alice aborda muito bem é o envelhecimento e a solidão. Gostei muito da sua escrita, mas acho-a tão forte e desconfortável...
    https://scsmundofantasia.blogspot.pt/

    ResponderExcluir