sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

"Sono" de Haruki Murakami


Escrito em primeira pessoa, "Sono" de Haruki Murakami e Kat Menschik é um livro ilustrado no qual texto e imagem se juntam para contar para conta a história do que ocorreu a uma mulher quando ela passou 17 noites sem dormir. Palavra de honra: assim como "Sono" não tem mais de 800 páginas e sim um pouco menos de 120, essa resenha não vai ser tão longa quando a de "Anna Kariênina".

Em "Sono" encontramos uma mulher que não dorme a 17 dias, aliás encontramos com ela justamente em seu décimo sétimo dia de vigília e tranquilamente nos tornamos ouvintes e confidentes dela.


Nossa insone é uma mulher saudável, mãe de família que aos 31 anos tem uma vida regreda pelo cotidiano doméstico, ela é esposa e mãe e inexplicavelmente se ver privada da necessidade hiperativa de "ter que dormir" e não sente cansaço, enfado ou sonolência.


Uma pessoa saudável passar um terço de sua vida dormindo, então é como se essa mulher ganhasse esse terço de sua vida de volta e tivesse a oportunidade de usar essa parcela de vida para si e novamente dona de seu tempo ela passa a pensar naquilo que a maternidade e o matrimônio lhe trouxe e lhe tirou fazendo paralelos com sua vida antes e depois de ter construído sua família.

Antes de casar ela era uma leitora voraz, então, em sua insonia a primeira coisa que ela faz é passar a ler, a princípio o "Anna Kariênina", depois mergulha em Dostoiévski e por ai vai mergulhando nesses livros enormes, calhamaços extensos nos quais épocas são recriadas, livros cheios de histórias dentro das histórias, mundos dentro de mundos.


E, por incrível que possa parecer, enquanto ela ler calhamaços com mais de 800 páginas, passa noites sem dormir e passa a limpo sua vida, nem sem filho e nem seu marido percebem nada. É como se para eles ela fosse um tipo de alavanca, uma coadjuvante sem importância na história de suas vidas. Aliás, caminhando com essa mulher percebemos o quanto a maternidade e o casamento roubaram ela de si mesma. Em suas noites insones essa mulher busca por si mesma e descobre absurdada o quanto deixou de existir em função de si mesma, o quanto sua vida se tornou uma eterna repetição de uma rotina e perdeu o sabor, a tensão, o drama, a expectativa que confere sentindo, sabor e cor a experiencia de ser e estar no mundo


Murakami e Kat Menschik conferem ao livro um tom existencial, a narrativa é leve, fluida, rápida, instigante, provocativa. Ao olhar para uma mulher insone questionando sua vida eu me vi questionando a minha também, conferindo as partes do corpo, da rotina, dos sonhos, conferindo se estou acordada ou dormindo, vivendo ou me alinhando em uma rotina.


Fiquei impressionada com a narrativa enxuta, clara, simples e ao mesmo tempo incrível de Haruki Murakami e da beleza da arte da Kat Menschik. Sem fazer o texto pesar, ele dialoga com Tolstói e com Kafka de uma forma deliciosa. Deu para senti a presença de "A Metamorfose" e de "Anna Kariênina" ao longo do texto, mas quem não leu esses livros não vai ter nenhum problema para entender a história. Recomendo muito esse livro!


8 comentários:

  1. não conhecia. belíssima edição. fiquei curiosa. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  2. OI! Que enredo hein, imagino essa mulher totalmente cansada por causa dos afazeres domésticos e sendo esquecida por todos. Fiquei curiosa como vai ser esses dias "só para ela". Bjos <3

    Click Literário

    ResponderExcluir
  3. Olha só, que história interessante!
    Confesso que só pela resenha já consegui me identificar com a personagem hahaha O que me dá mais vontade de ler =D

    Também tenho insônia (ou uma insônia leve, ou algo assim), não cheguei a ficar tanto tempo assim sem dormir (apenas 3 noites), e uso esse tempo que tenho também para ler, escrever, ver filmes e séries e quando fico esgotada acabo dormindo haha Também vou confessar que apesar de saber que isso não é totalmente normal, não tenho queixa disso, na verdade gosto bastante XD

    Adorei a resenha, beijão =D

    ResponderExcluir
  4. Mais uma resenha muito bem feita! Gostei! Imagino uma insônia assim! De vez em quando tenho e acho terrível!

    beijos praianos, obrigada pelo carinho,chica

    ResponderExcluir
  5. Olá, Pandora.
    Esse livro deve ser muito interessante. Se fosse ficar sem dormir e sem sentir cansaço ou sono eu bem que queria para aproveitar para colocar as leituras em dia hehe. No começo dessa semana passei a noite com minha mãe no hospital e ainda não consegui me recuperar da noite não dormida. Se der eu vou ler ele.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Oi Pandora!
    Eu se dormir mal por uma noite já fico quebrada no dia seguinte, não consigo imaginar ficar sem dormir por 17 dias... Gostei da história desse livro, quero ler também.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  7. Oi Pandora! Eu adoraria não sentir falta do sono e ficar acordada dias e dias fazendo mil coisas, mas percebi que mais do que isso, a obra mostra como ela viu que tinha se deixado de lado e precisava de um tempo para si mesma. Como havia esquecido de viver e vivia para os outros. Acredito que todos nós temos algo assim na nossa vida. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  8. Nem imagino o que faria se ganhasse esse terço de vida de presente. Odeio ficar sem dormir. Mas achei muito legal ela poder se redescobrir.

    ResponderExcluir