quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

"Os Filhos de Anansi" de Neil Gaiman


É meio prolixo dizer o quanto amo a produção de Neil Gaiman, mas não resisto. Ele é um dos autores favoritos da vida, tento sempre ter um livro não lido dele na minha estante. Se tudo estiver muito confuso, um livro de Gaiman é um porto seguro para montar abrigo, acender uma fogueira, fazer uma refeição e encontrar a força necessária para voltar a luta. Talvez por esse meu amor por Gaiman em 2016 Aleska escolheu me presentear com um volume lindíssimo de "Os filhos de Anansi" publicado pela Intrínseca, não poderia ter acertado mais.

Em "Os filhos de Anansi" somos apresentados a Charlie, filho do deus africano Anansi (a Aranha tecedora de Histórias e artimanhas que também aparece no livro "Deuses Americanos", porém essa história acontece de maneira independente) quando nós o encontramos ele é um homem muito honrado, digno, cheio de pudores, residente em Londres, altamente perdido, fragilizado, sem sorte e com uma imensa tendencia a ser feito de trouxa por tudo e todos. Nossa!!! Fazia tempo que eu não me identificava tanto com um personagem nessa vida!!!


Sem consciência de ascendência divina, para o Charlie o Sr. Nanse, seu pai, foi um tipo de fonte constante de constrangimento. Dado a fazer brincadeiras, Anansi pregou várias peças em seu filho levando ele a constantemente se senti com cara de bobo, alvo fácil bullying. Porém, as vésperas de seu casamento nosso herói, residente em Londres, descobre que seu pai faleceu e precisa: atravessar o Atlântico, ir para a América, enterrar seu pai, descobri todos os segredos de família e ter sua vida virada pelo avesso quando descobre a existência de um irmão gêmeo a muito perdido que aparentemente herdou todos os dons mágicos da família.

Charlie é um tipico personagem de Neil Gaiman, começa a história perdido em sua própria vida e então se ver em meio a uma aventura desconsertante. No meio dessa aventura sua vida pacata é colocada pelo avesso, a situação de tensão evolui causando uma bagunça insuportável através da qual nosso herói vive uma jornada de autodescoberta, autoaceitação, crescimento pessoal com uma dose sempre bem acertada e misturada de magia a vida real. O resultado é invariavelmente uma leitura deliciosa cujo ritmo segue em uma constante linha crescente na qual todas as bagunças criadas no meio do caminho tendem a serem resolvidas.

Foi uma delícia acompanhar a história dos filhos de um deus africano, não esperava, mas fui surpreendida por uma história na qual 95% dos personagens são negros e negras, contando inclusive com um elenco maravilhoso de mulheres idosas extremamente independentes e protagonistas de cenas impagáveis. Vi Voinha encarnada em uma das idosas e relembrei o quanto minha avó conseguia ser terrível hahahahaha (a gente ri, mas na época dava medo hahaha). Me apaixonei um pouco pelo Charles, temi por ele, torci e amei a forma como ele concluiu sua jornada de descoberta.


Agora, olhando para o livro ao meu lado, concluindo esse texto, me sinto um pouco mais leve, um pouco mais pronta para voltar a minha própria aventura de autodescoberta.

17 comentários:

  1. Oi! Nunca li nada do autor e confesso que fiquei curiosa para conhecer a escrita dele. Adorei o fato dos personagens serem negros, o que é bem difícil de achar. Fora que esse mistério familiar me chamou a atenção. Bjos <3

    Click Literário

    ResponderExcluir
  2. Não conheço o livro ,mas como é bom quando nos identificamos com um personagem! beijos, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  3. Você tem uma facilidade em encantar com seus escritos que, imediatamente, me sinto tentado a procurar os títulos e livros os quais você resenha e indica!

    A capacidade do Gaiman também de nos prender é fascinante, não é? Beira ao sobrenatural. Acho a escrita dele tão rica e envolvente que, muitas vezes, me peguei pensando que ele mesmo se tratava de uma criatura de um outro universo, rs.

    Beijos!

    Sobre devaneios e fascínios educacionais, acesse: Confabulando com Tio Helder

    ResponderExcluir
  4. Oi Pandora!
    Eu assisti a série baseada no livro American Gods - amei essa série, aliás - e pela sua resenha esse livro está relacionado a ele... certo?
    Quero muito ler.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  5. Oi, Pandora!
    Menina, só me diz que não tem muita aranha nesse livro. Porque eu morro de medo desse bicho, principalmente nos livros que ficam descrevendo haahahhaha Mas acho que vale superar o medo por essa história incrível.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Natal Literário e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
  6. Li o Gaiman por livre e espontânea pressão sua e da Lu Tazinazzo, rsrs, e gostei muito do pouco que li dele, mas ainda ficou um resquício, alguma ponta que me impede de querer ler tudo o que ele escreve: com certeza quero ler mais títulos dele, mas sem muita pressa (até porque Gaiman é um sujeito que deve ser apreciado com calma)

    Dois abraços

    ResponderExcluir
  7. Oi Pandora! Este ano vou ler apenas mais um do Gaiman ( O Livro do Cemitério), mas ano que vem eu eio este aqui sem falta. Eu gosto das histórias do autor e de seus universos incomuns. É um autor incomparável. Bjos!!!

    ResponderExcluir
  8. Gostei da perspectiva do autor, ainda não conhecia. Excelente dica! ❤

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  9. Olha, eu nunca li nada do autor, mas tua resenha me despertou muuuuita vontade! Gostei muito do que a história parece ser, da representatividade negra e da terceira idade! Já vai pra minha wishlist, viu?
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
  10. Gosto muito dos livros do Gaiman, ainda não tive a oportunidade de ver esse.

    Abraços,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  11. Eu sou viciada na escrita do Gaiman!
    Esse ainda não tive oportunidade de ler, mas adorei a premissa!
    Incrível como ele consegue nos envolver na trama.

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  12. Oi Pandora.
    Eu não conhecia o livro, mas fiquei muito interessada na história. Parece ser bem diferente e impactante. Já pra lista.
    Bjus
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá, Pandora.
    Eu acho que já comentei por aqui que não gosto do autor. Já li acho que quatro livros dele e infelizmente não me identifiquei hehe. Mas entendo sua paixão. Sou assim com a Agatha Christie. E quando ganho algum livro dela então fico nas nuvens. Essa edição parece estar linda mesmo, e que venham mais ótimas história para sua coleção.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  14. Oi Pandora!
    Como adoro ler suas resenhas e mais ainda quando o livro é de Neil Gaiman. Essa sua paixão pelo autor já é antiga e na verdade ela contagia a todos.
    Uma história que realmente deve deixar o leitor envolvido e totalmente entregue.
    O que é bonito é para ser sentido dentro do coração.
    Beijos mil!
    Saleta de Leitura

    ResponderExcluir
  15. Do Gaiman eu só li O Oceano no Fim do Caminho e pra ser sincera não achei aquela coca cola toda não. Mas gostei da escrita e queria ler mais algo dele.
    Sua resenha me deixou curiosa e acho que posso dar uma chance começando por esse... eu posso ler ele sem ter lido o Deuses Americanos? Ou seria muito confuso?
    Bjss

    http://www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ler sim, os eventos da história não se conectam com os de Deuses. Ah, eu amo "O oceano...", mas já ouvi muitas criticas é de boa!

      Excluir