sexta-feira, 27 de outubro de 2017

As Mas Belas Fábulas, vol. 2: O Reino Oculto


"As Mais Belas Fábulas" é um spin-off da série "Fábulas" de Bill Willingham, nela a proposta é frisar a trajetória das personagens femininas. "O Reino Oculto" é volume 2 de 5 e, na minha opinião, é melhor e mais bonito dos cinco.

Em "O Reino Oculto" a protagonista é Rapunzel e tudo começa quando ela é misteriosamente visitada por uma nuvem de tsurus portadores de uma mensagem misteriosa responsável por leva-la a uma viagem ao Japão suas mais dolorosas memórias afetivas. A HQ é roteirizada por Lauren Beukes, a arte é Inaki Miranda e as cores são de Eva De La Cruz, um trio de artistas que transformou a princesa em uma heroína poderosa, totalmente Girl Power envolvida em uma aventura na qual ela procura preencher as lacunas de seu passado.


Como sempre acontece em "Fábulas" o leitor acompanha a ampliação da trama do conto infantil através da qual os contos de fadas ficam mais complexos e mais adultos. Assim, encontramos uma Rapunzel para além da menina aprisionada, encontramos também uma Torre que não é apenas prisão, mas também um lugar de aprendizado, pois a "Bruxa Má" além de carcereira era também professora da menina e a treinava para ser sua sucessora.

Descobrimos que uma vez expulsa da Torre a garota não encontrou um feliz ao lado do Príncipe Encantado, muito pelo contrário. A garota saiu de sua prisão/escola gravida, teve seus filhos sozinha em um casulo de cabelo construído por ela mesma e, entre muitas aventuras e desventuras, acabou indo parar no Reino Oculto das fábulas japonesas no qual encontrou a Raposa, a Cidade Sagrada, o Imperador, uma Corte Cheia de Intrigas.


O dialogo entre o universo mitológico ocidental e o oriental foi simplesmente maravilhoso. A arte Inaki Miranda somada as cores de Eva De La Cruz forneceram um espetáculo visual delicado, belíssimo e impactante. Fiquei deliciada com a forma como a magia oriental emergiu diante de meus olhos. A Lauren foi tão criteriosa que não deixou de fora nem mesmo "O livro do Travesseiro" escrito pela dama da corte Lei Shônagon numa Quioto do século X.


Também não faltou a história a força do terror oriental. Foi impactante como a Sadako Yamamura da série de filmes "Ringu" também se fez presente. E se você voou nessa referencia Samara de "O chamado" foi inspirada é praticamente uma copia nessa obra. Fiquei deliciada com a forma como todas essas referencias, arte e cores construíram uma história rica em dramas, reviravoltas e aventuras nas quais Rapunzel constantemente precisa salvar a si mesma.


Gosto muito da história da princesa presa na Torre, sou filha de um homem super-protetor e sufocante, me identificava com ela. Quando assisti a versão Disney então... Nossa!!! A Gothel cantando "Sua Mãe Sabe Mais" é a cara do meu Pai "Quando a Minha Vida Vai Começar?" é a cara da minha adolescência. Consequentemente, sempre me incomodou o maniqueísmo da história na qual a Bruxa é apenas egoísta e jamais desenvolve um vinculo afetivo com a garota. Ninguém é uma coisa só, ninguém sente uma coisa só por alguém o tempo todo. Relações entre pais e filhos adotivos ou biológicos são sempre complexas cheias de magoas e gratidão, erros e acertos, fragilidade e força.



Quando Lauren Beukes amplia a trama da Rapunzel, ela também amplia percepção sobre a Bruxa Má, mesmo dentro dos excessos havia sentimentos maternais e para os erros havia o sentimento de culpa e isso deu veracidade a relação entre mãe/filha. Também somos convidados a pensar se, talvez as maiores tragédias da princesa com longos cabelos se devam a outro personagem. Laurem abre espaço para pensarmos no quanto Bruxas Más, Fadas Madrinhas, Princesas e Príncipe não são uma coisa só.

Achei notável a sororidade entre as mulheres nessa história, a forma como a força feminina foi abordada e o quanto ela é Girl Power. Uma história realmente deliciosa de ser lida, cujo único ponto frágil são as capas desnecessariamente sensuais de Adan Hughes. Não sei o que as mulheres precisam fazer ou dizer para a Vertigo e a DC Comics entender o quanto é desgastante ver corpos femininos representados de forma sensual sem necessidade narrativa.



Por fim, dos cinco volume de "As mais belas fábulas" "O Reino Oculto" foi o único roteirizado por uma mulher, foi também o melhor volume da série, o único a realmente cumprir a proposta anunciada na capa apresentando uma história protagonizada por uma fábula feminina.

9 comentários:

  1. Eu vi que você visitou meu blog abrkdbra-coisasdavida.blogspot.com
    Obrigada. Adoro livros. Não gosto de resenha los. Prefiro que as pessoas sintam interesse para ler!

    ResponderExcluir
  2. Oi Pandora!
    A cada resenha sua dessa série Fábulas só aumenta minha vontade de ler!
    Adorei sua resenha e como se identificou com a história da Rapunzel. Acho que quando uma história lembra de algo pessoal a gente acaba gostando mais dela.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  3. Olá, Pandora.
    Quando vi a capa e li o que você escreveu já logo pensei sobre como é desnecessário ela ser tão sensual. Até parece que o conteúdo precisa de uma capa assim para poder vender. Eu já tinha me interessado quando você apresentou o volume anterior, e nessa fiquei ainda mais. Eu não era tão fã desse conto em especial, mas pelo que vi aqui, vou gostar bastante de como a história foi recontada.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi! Realmente a sensualidade das imagens são exageradas e desnecessárias. Mas achei a premissa da história interessante e dando uma nova versão dos fatos. Bjos ❤

    Click Literário

    ResponderExcluir
  5. Oi, Pandora!
    Eu já quero essa HQ. Achei ela linda demais *-------* Fora que estou numa vibe de releituras então...
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  6. Oi Pandora! Eu concordo com esta questão das capas, acabam até mesmo afastando certos leitores. Eu quero muito conferir esta coleção, acho que as histórias devem ser empolgantes.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  7. Oi Pandora!
    Acho lindo esses HQ, mas ainda não me animei a ingressar nesse universo de leitura. Acho que já passei da idade, mas admiro quem gosta e curte.
    Beijinhos
    Saleta de Leitura

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bom?
    Que linda!!! Adorei as ilustrações, e também adoro releituras (aliás, quase todas...hahaha)
    Beijos
    5 O'clock Tea

    ResponderExcluir
  9. Novamente venho comentar num post sobre essa série. Parece incrível! Sororidade é o assunto do momento, né? Eu fico emocionada quando vejo obras que representam isso.
    E claro, a parte do terror também me interessou... hehe
    Beijoss

    http://www.cafeidilico.com/

    ResponderExcluir