quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Nos Trilhos do Metrô do Recife


Para mim o Metrô do Recife é uma realidade paralela através da qual somos diariamente ou ocasionalmente transportados de um canto a outro da região metropolitana. Uma vez dentro dele somos isolados do resto do multiverso, estamos em um mundo a parte. No caso do Recife é um mundo composto por pessoas quase sempre em marcha acelerada indo ou voltando do trabalho e pelas dezenas de ambulantes que tem nas linhas metroviárias o seu ambiente de trabalho.

O sistema metroviário de Recife tem ares de caos, é barulhento, quente, movimentado, instável. Pela manhã temos sono, o qual remediamos com um café fraco e aguado vendido lá mesmo. Pela tarde/noite sentimos uma mistura de cansaço, pressa e medo. Há sempre uma vontade de chegar a algum lugar urgentemente e um medo, justificado pelos índices de violência urbana de não conseguir fazer isso.

Tem sempre alguém vendendo algo ou tudo dentro dele. É uma feira livre sobre trilhos na qual se encontra bombons, água, pipoca salgada e doce, jujubas, creme para massagem, cruzadinhas, agulhas, linhas, cds, creme dental, achocolatado, iogurtes, biscoitos de todos os sabores, picolés, salgadinhos, confeitos, shampoo, condicionador, mortadela, empanado de frango etc. A lista é imensa, tortuosa, cresce diariamente, e todos os itens "estão na validade, são mais barato que no mercado, padaria, farmácia ou shopping...".tudo a menos de R$ 10,00 golpes.

No entanto, nem tudo é vendido, há algo oferecido de graça. Na primeira hora da manhã, quase sem trégua, tem pessoas evangélicas oferecendo de graça sua interpretação da Bíblia aos nossos ouvidos. Elas em geral são bem intencionadas, julgam oferecer as palavras de vida eterna e salvação. Mas, quase invariavelmente, o tema do discurso envolve inferno e a danação. Mateus conta no Novo Testamente sobre João Batista anunciando nas margens do Rio Jordão: "Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos Céus...". Se Mateus vivesse no Recife ele contaria sobre João anunciando: "Arrependei-vos, porque o fim está próximo e o inferno também.".

Nem todos os pregadores são tão cruéis, mas sempre me pergunto se passa pela cabeça deles o quanto alguns de nós já se sentem no Inferno. Acordando antes do nascer do Sol, enfrentando diariamente um multiverso de incertezas, indo sem saber se volta, pedindo a Deus todos os dias que nos leve e traga, lutando para não sermos consumidos pelo medo, a população do metrô é muito consenciente do quanto "O inferno nem é tão longe/ Bem depois de onde nada se esconde/ Mais perto do que distante/ Não demora muito e ele chega pra qualquer um".

Hoje faz um mês que integro a população do metrô. De segunda a sexta estive correndo pelos trilhos, não podia deixar de registrar minhas impressões sobre essa esfera da civilização.

6 comentários:

  1. Oi, Pandora!
    Eu sinto muita falta de usar metrô. Nossa, era maravilhosa a sensação.
    Adorei seu texto.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Concorra ao livro Depois do Fim autografado

    ResponderExcluir
  2. É... realmente não deve ser fácil nem agradável, né Pandora?

    Postagem que suscita um tema bem atual.

    ABÇ
    JAN

    ResponderExcluir
  3. aqui controlam melhor o mercado ambulante nos metrôs. mas andam relaxando. aqui tb é lotado, super lotado. eu uso de vez em qd. foi em 2010 q o metrô chegou no meu bairro e só aí passei a usar com mais regularidade. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  4. Oi Pandora! Eu não utilizo metrô para trabalhar, mas quando preciso usar me sinto em um realidade diferente, acho que pela diversidade cultural que encontro nesse meio de transporte.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  5. Oi, Pandora, tudo bem? Adorei a sua postagem e reflexão. Essa coisa toda de que de uma certa forma, muitos já vivem no inferno mexe muito comigo. Mexe comigo porque eu já vivi em um inferno realmente horrível. Aquele último dos círculos do inferno. Mas estou subindo. Hheheh (a gente ri que é pra não chorar :P)
    Mas sei que muita gente tá lá embaixo e muitos (a maioria) não vai conseguir sair.
    Tinha uma questão na agenda da minha irmã que eu adorava "E se a Terra for o inferno de outro Planeta?" E eu acho que às vezes, é isso mesmo. Mas claro, continuo com a esperança de melhora. Lutamos por isso! Para a melhora e subida de todos.
    Um beijão
    http://www.profissaoescritor.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá, Pandora.
    Queria que tivesse metrô aqui na minha cidade hehe. Sou evangélica e acredito que as pessoas tem que pregar o céu e não o inferno. Sou cristão porque quero ir para um lugar melhor e não porque tenho medo de ir para um pior.

    Prefácio

    ResponderExcluir